segunda-feira, 12 de agosto de 2013

O Beijo

Executada em mármore branco em 1886, a escultura representa dois amantes absorvidos num intenso beijo realizada por Auguste Rodin, transmitindo uma força emotiva e sensual que tornou esta obra numa das mais famosas esculturas de todos os tempos.

Rodin

Em 1879, poucos anos depois da viagem por Itália onde tomou contato direto com obras de Donatelo e Michelangelo (do Renascimento), Rodin recebeu uma das suas primeiras encomendas, a entrada para o Museu de Artes Decorativas de Paris. Para a porta o artista desenvolveu um ambicioso projeto: um grande conjunto escultórico denominado "As Portas do Inferno" a partir do "Inferno", a primeira parte da Divina Comédia, a famosa obra literária de Dante.



Embora este trabalho nunca tenha sido concluído, os estudos realizados foram posteriormente transformados numa série de esculturas autónomas, de menores dimensões, de entre as quais as mais famosas são "O Pensador", "Adão e Eva" e "O Beijo”.


Embora plasticamente seja mais conservadora que "O Pensador", esta estátua apresenta uma característica importante da obra madura de Rodin: o interesse pelo inacabado. Uma referência à escultura renascentista pela qual Rodin tanto se interessara na sua viagem a Itália em 1875, é a meticulosa tentativa de tradução do movimento e da anatomia muscular assim como a técnica delicada no trabalho do mármore.


A associação das duas figuras a um bloco de mármore grosseiramente aparelhado, permitia acentuar o contraste de textura e consequentemente destacar a leveza, sensualidade e carnalidade dos corpos.


Marcado ainda pelo ideal estético romântico que procurava a beleza através da representação de estados de alma, "O Beijo" constituiu igualmente uma das obras precursoras do período moderno da escultura, acompanhando o despontar do impressionismo na pintura. A escultura "O Beijo" apresenta uma dimensão ligeiramente acima do natural (tem uma altura de 183 centímetros) e encontra-se exposta no Museu Rodin, em Paris.

Os dois corpos entrelaçados, em pleno movimento, captam a luz e a sombra; os planos fluidos e contínuos não negam o real, mas, pelo contrário, tornam a pedra mais viva. O amor que Rodin sente pelo corpo é sensual e, por vezes, francamente erótico. A macieza da pele contrasta com a aspereza do bloco de pedra […]” (fonte: http://pallasathena-pt.blogspot.com.br/2013_04_01_archive.html)


"O beijo" representava originalmente Paolo e Francesca, dois personagens emprestados a partir de A Divina Comédia de Dante: mortos pelo marido de Francesca, que os surpreendeu na troca do seu primeiro beijo, os dois amantes foram condenados a vaguear eternamente através do Inferno. 









O Beijo revisitado, acima: "A campanha criada pela Agência Experimental Orton Publicidade visa unir o potencial de sentimento e paixão da escultura com o modernismo da Fragrância Element. A ideia é mostrar aos homens o poder do perfume que o ajudará nesta busca pelo elemento certo, aquele que lhe completa. Os contornos do corpo feminino, seus lábios grandes e vermelhos – da mesma cor do vestido – procuram denotar a paixão e a sedução" (fonte: http://www.coxinhanerd.com.br/o-beijo-auguste-rodin/).

Assista o documentário sobre "O Beijo", de Rodin:

http://www.youtube.com/watch?v=IDqVC0gjh50#at=102

Gostou dessa escultura? Na loja Quinta dellArte é possível adquirir uma réplica desta e de outras esculturas. Visite:



Referências:
http://www.phototravel360.com/europa/paris/museu-rodin-em-360-graus-paris/
O Beijo. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-08-13].
Disponível na www: .

http://www.coxinhanerd.com.br/o-beijo-auguste-rodin/
http://pallasathena-pt.blogspot.com.br/2013/04/rodin-em-o-beijo-entre-o-realismo-e-o.html

Um comentário:

Moisés Teixeira disse...

Nossa! Vc desenha super bem virei seu fan rs' vou frequentar seu blog sempre

http://wwww.desenharearte.wordpress.com

Dêem uma olhada aí tbm