sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

História do Desenho

Texto extraído do site: http://odesenho.no.sapo.pt/ls_desenho1.html

O homem pré-histórico marcou na rocha seres humanos, animais, plantas, elementos do seu mundo, expressando de uma forma intensa as suas vivências.


Pintura rupestre - Lascaux. 15.000 a 10.000 anos A.C.

As culturas da antiguidade como a Egípcia e Grega, deixaram marcas da sua história registadas sob a forma de imagens desenhadas que nos oferecem meios para a compreensão do seu pensamento história e sabedoria.



Fragmento do livro dos mortos de Tebas - Egito, C/ 1000 AC


O desenho da idade média transporta-nos para o ambiente da época com as suas personagens ingénuas e espaços "impossíveis" por ausência da perspectiva.


Detalhe de um desenho mural de Palau Calades - Barcelona. Idade Média


No renascimento o desenho ganha pujança e força com as suas perspectivas sublimes e a sensibilidade grandiosa dos mestres da época.

Paolo Ucello - estudo para cálice- Renascimento
J. V. de Vries
"Perspective pas altera" ,1604-1605


Leonardo da Vinci - Estudo de perspectiva (detalhe) - Renascimento


Cada cultura possui saberes, códigos e valores próprios e portanto condiciona os sistemas de comunicação. O desenho de cada período histórico é condicionado por aquilo que em determinado momento histórico é considerado verdadeiro e digno de importância.


Veja-se por exemplo como varia a representação de um Cristo na arte Bizantina ou na da Idade Média, do Gótico ou da actualidade. Igualmente a representação da figura humana aparece com aspectos completamente diversos conforme as épocas históricas devido aos conhecimentos que se tinham ou não sobre a anatomia humana, ou os ideais de beleza do momento.

Também de indivíduo para indivíduo, mesmo sendo contemporâneos, o carácter do desenho varia caracterizando a capacidade de representação, sensibilidade, personalidade e interesses de cada um. Mesmo desenhos do mesmo indivíduo, por vezes variam bastante de acordo com diversas condicionantes, como a experiência, vivências, estados de espírito, etc.

Quase sempre um registo desenhado parte de uma experiência de observação da realidade. Refletindo sobre o que vê, o homem regista o que compreende da realidade e o que julga ser digno de interesse.


Picasso - Eric Satie - lápis s/ papel. 1920


Do ponto de vista do observador procura-se fazer a descodificação do que se vê representado, a partir do que se conhece do mundo, fazendo associações automáticas entre o que conhecemos da realidade e o que vemos representado.

O receptor
, aquele que analisa um desenho, também só perceberá nele o que conseguir ou quiser entender. A cultura que cada um de nós possui, vai tornar-nos mais ou menos capazes de extrair "leituras" de uma imagem ou desenho. O tipo de sensibilidade, a disponibilidade e curiosidade para apreciar a imagem também conduzem a uma apreensão mais rica ou mais pobre.

(Leonor Soares 2001-03)

3 comentários:

Anônimo disse...

Que bacana!
Eu curto desenhar e faço Artes Visuais Licenciatura na UFPel - RS, estou estagiando em uma instituição filantrópica dando aula de desenho, seu POST me ajudou muito, eu não conseguia achar essas imagens...

www.des3nhos.blogspot.com
Esse é o meu BLOG, criei a pouco tempo, mas tem uns desenhos meus lá. Visite!
Obrigado!

Tiarles

Anônimo disse...

Olá ponderante post , apreciei muito, penso que poderiamos tornar-nos blog palls :) lol!
Aparte de piadas o meu nome é Jack, e como tu publico paginas embora o tema da minha página é muito distinto do teu....
Eu desenvolvo websites de poker que falam de bónus sem depósito sem arriscares o teu dinheiro......
Gostei imenso o que li aqui mais uma vez
Voltarei!:)
Ps:Peço desculpa pelo meu portugues ruim

Anônimo disse...

show!